Myriam Jubilot de Carvalho

Por Ondas do Mar de Vigo

Myriam Jubilot de Carvalho

Uma lenda Grega que é um exemplo de Serenidade

“Omnia mea mecum porto”, a célebre frase de Bías, de Priene

BÍAS é um dos lendários “sábios da Grécia” – “sábios”, na acepção de “filósofos”. Bías, um filósofo, terá vivido no século VI aC. Seria natural de Priene, na Jónia – antigo nome de uma região da Anatólia (na Turquia actual).

* * *

A primeira vez que ouvi falar de Bías foi ao meu professor de Grego, no 6º ou 7º ano do antigo programa do Liceu.
Contava ele que Bías ia numa viagem no Mediterrâneo, quando surgiu uma tremenda tempestade que ameaçava afundar a bela trirreme.
Na confusão, o comandante mandou que os passageiros lançassem ao mar todas as cargas. E todos os tripulantes e viajantes se apressaram a lançar borda fora todos os seus haveres!
...Apenas Bías se conservava muito sentado no tombadilho, encostado a um dos mastros.
O comandante passou e admirou-se. Interpelou-o:
– Então, Bías, toda a gente se mexeu, menos tu?! Vá, despacha-te, vai buscar as tuas coisas! Deita tudo ao mar!
E Bías respondeu com toda a serenidade... – E aqui, o nosso Professor de Grego interpelava a turma: Que é que as Meninas acham que ele respondeu?! Hã?!...
Ninguém sabia responder.
E o Dr. Inocentes sorriu e rematou:
– “Omnia mea mecum porto.” Ele disse: “Omnia mea mecum porto”!... Que significa: “Tudo o que eu tenho, trago comigo.” – Quer dizer, ele não possuía nada. Nada de bens materiais! Toda a sua riqueza, todos os seus bens, eram a sua sabedoria!
Alguém perguntou:
– Sr. Doutor, se ele era Grego, porque é que essa frase é dita em Latim?
Ao que o Dr. Inocentes esclareceu:
– Muito bem perguntado! É que foi Cícero, o notável causídico Romano, do século I aC, quem nos deixou o relato deste episódio... 

* * *

Nunca esqueci esta história, e uma ou outra vez a contei aos meus alunos.
No entanto, encontrei na Net uma outra versão:
Bías ia a fugir da sua cidade juntamente com outros cidadãos, devido a uma invasão de inimigos...
Toda a gente fugia com tralhas e haveres às costas. Excepto ele...
Alguém lhe perguntou:
– Bías! Então, não trazes nada contigo?! Não tentas salvar alguma coisa?!
E a resposta teria sido a mesma:
– “Omnia mea mecum porto.” – Tudo o que tenho, trago comigo.


As Mulheres e o Silêncio

“Para cada homem, há sete mulheres e meia” – dito popular

1.
Diz-se, em geral, que as Mulheres “são a outra metade da Humanidade”.
À primeira vista, somos levados a pensar que talvez não seja bem assim... Porque é próprio do Mundo Animal, do qual o ser humano, quer queira quer não queira, é parte integrante, haver mais fêmeas do que machos.
A poligamia faz parte da realidade de grande parte da Natureza, embora haja, como é sabido, animais que acasalam de modo monogâmico para toda a vida. 

A sociedade monogâmica europeia vem da tradição romana. No entanto, nem por isso os Romanos demonstravam maior respeito pelas Mulheres, pois acontecia que jogassem as esposas aos dados, ou trocassem de consorte entre amigos, por tempo indeterminado.
A Igreja, herdeira da cultura latina, que a expandiu no mundo europeu na Alta Idade Média, impôs a monogamia como boa forma de organização social. 

No mundo visigótico não era assim. Os Visigodos eram polígamos. Pelo menos, nas classes altas. Era necessário garantir a transmissão da linhagem, e das heranças, nessa época em que a mortalidade infantil era elevada.
Muitos reis peninsulares, descendentes e herdeiros da cultura dos Visigodos, viveram em litígio com a Igreja católica. Como se sabe, os nossos reis faziam os seus casamentos de acordo com os interesses de alianças políticas, mas mantinham a tradição poligâmica. Frequentemente o amor nascia fora do casamento, uma vez que este tinha sido realizado por mera conveniência política. 

No Islamismo, o Profeta Maomé manteve a poligamia, como forma de garantir a subsistência e o estatuto das mulheres. Em caso de viuvez, o irmão do defunto deveria casar com a viúva, não por “abuso de poder”, mas sim para lhe garantir abrigo e dignidade.
Aliás, a tradição do “harém” era muito cultivada no mundo e cultura de Bizâncio. 

Obviamente, nessas épocas recuadas, a Mulher não tinha os mesmos direitos que o Homem, e quer no casamento polígamo, quer no casamento monógamo, a Mulher era propriedade do Homem a quem devia manter-se humildemente submissa e sempre eternamente grata. Até porque num mundo de severa divisão do trabalho, à Mulher de qualquer estrato da sociedade estava reservada a salvaguarda do gineceu. 

De qualquer modo, vemos que a instituição do casamento polígamo não era como vulgarmente se diz, uma instituição bárbara e lasciva, mas uma forma considerada viável de garantia de uma sociedade digna...
Que essa solução tenha sido vivida como situações de exploração e subalternização, isso é próprio da natureza humana, que sempre encontra um modo de subverter as boas intenções das instituições e de as tornar venais... 

Um dia, um jornalista ocidental perguntou à princesa indiana Gayatri Devi (1919-2009), educada em Inglaterra, e que tanto fez pela elevação do nível educacional das Mulheres indianas criando escolas para meninas, como é que uma “mulher educada no Ocidente” se permitira casar em regime de poligamia. E a sua resposta foi simples, directa e eloquente:
Vocês no Ocidente fazem o mesmo, mas às ocultas; não seja hipócrita!  

2.
Muito bem. Se os homens, de uma forma ou de outra – e sem juízos de valor – precisam de ter mais do que uma companheira, e se de facto, um bom número deles dá prática a essa necessidade, perguntar-se-á se as mulheres serão mais numerosas que os homens.   

Na realidade, as estatísticas mundiais dizem que o número humano de machos e de fêmeas é bastante equilibrado: aproximadamente 1,01 homem para 1 mulher. 

3.
A pergunta que eu me proponho e para a qual não encontro resposta que me satisfaça, é a seguinte:
Sendo o número de homens e de mulheres tão equilibrado, como se compreende que as Mulheres tenham sido tão subjugadas e silenciadas ao longo da História?! 

Só encontro uma resposta:
Pela força. Pela desigualdade das leis. Pela perversidade de as manter em estado de ignorância.  

É por isso que uma das principais medidas a que se lança mão quando se quer levantar o nível da consciência individual e social da mulher, é fomentar a Educação!
E atingimos aquele conhecido lema:  

Educação igual para todos
e
Trabalho igual / salário igual 

Os meus votos, hoje, dia 8 de Março de 2021, é que a Educação chegue a todas as Mulheres do Mundo, e que ela seja o instrumento, a alavanca que faça subir a sua consciência dos seus Direitos e da sua Dignidade!


Mês de Março
Dia Internacional da Mulher, Dia da Árvore, Dia Internacional da Poesia

Começo pela Árvore, e regresso ao Jardim do Éden,
onde se encontra para todo o sempre
a Árvore da Vida

Ninguém sabe onde fica, ou onde ficava....
...Ficou por lá, no Mundo do Sonho...

A infância...
Templo dourado e um céu azul
Locus amoenus – locus horribilis – um pouco de tudo...

Locus poeticus
De fontes e ribeiras,
salgueiros debruçados na correnteza
Cegonhas, e noras...
Patos reais, cisnes brancos 

Primaveras de lendas
Impossíveis, inverosímeis histórias
de Amor
A espuma das águas
que se eleva nas levadas 

Mulher, ou Árvore, bilros e rendas
Espuma – ou Lenda
Somos Poesia 

Myriam Jubilot de Carvalho
21 de Março de 2021


Dia da Árvore - Dia da Poesia
Uma justaposição bem pensada

Hoje, em vez de recordar algum poema que me tenha marcado, se é que isso fosse possível, pois são inúmeros os poemas que nos marcam ao longo da vida, prefiro recordar três grandes Poetas que marcaram a minha formação enquanto pessoa pensante.
Não tanto pela Poesia em si, mas pelo modo como a viveram.
.
JORGE de SENA - o grande Mestre.
Os seus estudos sobre Camões
Eu lia e re-lia os seus prefácios às obras de outros poetas. Foi Jorge de Sena quem valorizou a Poesia de António Gedeão e a sua escrita aparentemente simples. Simples - mas não "simplista".
Preservo com veneração a sua obra "Poesia de 26 Séculos", uma antologia em três volumes:
1-" De Arquíloco a Calderon"
2- "De Bashô a Nietzsche"
3- "Poesia do século XX - De Thomas Hardy a C. V. Cattaneo"
Obra publicada pela Editorial Inova, em 1971.
Jorge de Sena foi opositor à Ditadura, tendo tido que se exilar. Recorreu primeiro ao Brasil, mas devido à implantação da Ditadura nesse país, optou em seguida pelos Estados Unidos, onde foi professor na universidade do Wisconsin, e depois, professor catedrático efectivo na Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara.
(Jorge de Sena - 1919-1978).
*
DAVID MOURÃO_FERREIRA - o grande Artista.
De David Mourão-Ferreira guardo com igual veneração as suas duas obras sobre Poesia.
Diferentemente de Jorge de Sena, a obra 'teórica' de David Mourão-Ferreira incide apenas sobre a Poesia Europeia:
= "Vozes da Poesia Europeia" - 3 volumes, publicados pela COLÓQUIO LETRAS; Nºs 163, 164, 165. Em 2003.
Nesta colectânea, David Mourão-Ferreira oferece-nos uma antologia panorâmica da Poesia europeia, muitas vezes com transposições dos poemas originais, feitas por ele prórprio para Português.
= "Imagens da Poesia Europeia" - 2 volumes. Igualmente publicados pela COLÓQUIO LETRAS, Nºs 166/167, e 168/169. Aqui, o Poeta lega-nos uma colecção de estudos sobre Poetas maiores que enriqueceram a vivência e tradição poéticas da Europa.
Estas obras correspondem aos programas que o Poeta desenvolveu na RTP, na década de '50 do século passado. Programas a que eu assistia devotamente, numa época em que a televisão era ainda coisa rara em Portugal.
Em Faro, onde eu vivia, foi instalado um aparelho único,no teatro do antigo Lethes. Era um aparelho monumental, com um enorme ecrã panorâmico, e quem queria ver TV, tinha que pagar um ingresso de 10 tostões ou seja, 1 Escudo... E ali se passava o serão, na sala escurecida, assistindo à programação toda, do princípio até ao fim!
Os programas de David Mourão-Ferreira figuravam entre os meus favoritos.
David Mourão-Ferreira foi Secretário de Estado da Cultura entre 1976 e 1978.
Não tendo sido um poeta da Resistência, é no entanto de sua autoria o poema do fado de denúncia do status de então, o conhecido 'Fado Peniche'. Que obviamente veio a ser proibido pela Censura, tendo o compositor Alain Oulman sido expulso do País.
(David Mourão-Ferreira - 1927-1996)
*
ZECA AFONSO - o Visionário, o Idealista - a seu modo, um outro Mestre e igualmente um grande Poeta.
Enquanto os dois Poetas anteriores cumpriram um lugar educativo, embora restrito à Educação e à formação do gosto do público, aliás do público mais interessado em questões de Literatura, Zeca Afonso doou a sua sensibilidade à causa de um mundo melhor e mais justo.
Tive a sorte de ser sua aluna em Faro, tinha eu uns 14 anos.
É a ele que devo a minha sensibilização à realidade social e política. Não porque ele fizesse "doutrinação" nas suas aulas - de modo algum.
Mas pelo seu exemplo! Foi um modelo!
A sua generosidade e grandeza não se deixaram limitar pela repressão que a Ditadura exercia sobre a sociedade dessa época de triste memória. Ou sobre quem tão abertamente se lhe opunha.
Prisões e tortura abalaram-no de tal modo, que assisti a sessões em que Adriano Correia de Oliveira se colocava atrás dele, e junto ao seu ouvido lhe segredava os poemas que ele próprio fizera...
A presença de José Afonso nos "convívios", nos últimos anos da Ditadura, era galvanizante. Recordo uma sessão na Faculdade de Medicina. Quando o Zeca atacou "Os Vampiros" a sala arriscou-se a vir abaixo.
Estou convencida que sem a sua elevação moral e o seu denodo, e o seu exemplo, não teria havido 25 de Abril... Sabemos que devemos a Revolução dos Cravos à acção persistente e denodada do Partido Comunista, sem dúvida. Mas sem a acção de José Afonso... Nada teria sido como foi.
(José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos - 1929-1987)
(Adriano Correia de Oliveira - 1942-1982).

Outros grandes Poetas poderia hoje evocar. Sem dúvida.
...Mas estes são "os meus".


Lenda de Muqaddam Ibn Muafá, Al-Cabrí

À memória de minha avó Maria Carlota da Ascensão Jubilot 

       Madrugada. Suave, a brisa refrescava o alpendre a um canto do jardim. Grande, o grupo que desde o cair da tarde ali se ia juntando em volta da fogueira que os escravos não deixavam esmorecer. A Primavera já se instalara mas as madrugadas eram ainda muito frias, ainda se sentia a necessidade do conforto das mantas de lã de ovelha em entrelaçados brancos e castanhos, estendidas ao longo dos largos almofadões. E havia também muito com que aquecer o corpo, por dentro. Não faltavam os vinhos, os assados, os frutos, mas também os sumos, e para os mais enregelados, as infusões de ervas aromáticas ou as vigorosas chinitas, ainda sabendo a figo. Oh, tudo isso a par do estímulo de companhias esbeltas, delicadas, perfumadas, primorosamente vestidas, sedutoras... E mais os apelos da conversação! Dissertações sobre a situação agitada que se vivia no Emirato... Mas acima de tudo as controvérsias sobre o sentido da Vida, seus terríveis dissabores, sua efemeridade... Mas acima de tudo os seus prazeres! E o sentido do Amor.
       Muqaddam Ibn Muafá, o Cego de Cabra, ali perto de Córdova, fazia parte daquele grupo, pois os longos serões exigiam a presença dos poetas consagrados. Corria o ano de 880. Ibn Hafsún, o proscrito, regressava do Norte de África e era recebido com as honras devidas a um caudilho que lança o rasto da revolta Goda. Aquela noite iria ficar memorável. A presença de Omar Ibn Hafsún tinha feito reunir senhores e suas famílias, todos vindos das redondezas. Um serão que iria ter uma repercussão inesperada na Poesia das Hispânias.
        O velho Muqaddam tinha estado à altura das expectativas, apesar da comparência doutros poetas, cortesãos e ambulantes, e da concorrência que entre eles se estabelecia. Tinha dito poemas doutros poetas, tinha cantado, tinha dito poemas seus já antigos, tinha improvisado outros mais. Uma noite especial. Até as mulheres tinham ido espreitar às janelas de reixa, para ouvir os descantes. E, surpresa, o Senhor tinha-lhes acenado:
       – Que é que fazem aí? Desçam! Desçam, juntem-se à festa! Hoje a noite é nossa!
       ...E todos, sem excepção, homens e mulheres, entre os vapores perfumados da noite primaverilmente fresca, entoaram antigas canções, quase esquecidas...
       Uma noite gloriosa. Daquelas que só acontecem uma vez na vida.
       Chegou, porém, o momento em que o frio começou a apertar. O velho Muqaddam sentia os ossos enregelados. Pediu licença para se recolher.
       Muqaddam chegava agora ao seu aposento, um recanto abrigado que lhe reservavam na zona da criadagem. A sua amiga favorita, uma jovem escrava do serviço das cozinhas, acendia para ele um caldeirão de brasas e colocava-lho no meio do aposento. Como sempre, chegava meio tonto... A noitada, a escrava que habitualmente se ocupava dele no decurso do repasto, enternecida pelos seus olhos sem vida, o jovem copeiro que solicitamente lhe renovava o recheio da taça... Muqaddam chegava no seu andar pesado, lento, cauteloso. Naquela madrugada, porém, não eram só os vapores do álcool... Apoiado ao jovem copeiro, conseguiu sentar-se.
       – Senta-te aqui, ao meu lado – disse ao jovem. – Tenho aí onde podes escrever, pega numa pena, tenho as palavras a dançarem-me na mente...
       Distendeu as pernas, pesadas da gota e do álcool. À sua mente cambaleante, estimulada pelas sensações despertas pelas vivências da noite, ocorreu uma ideia, uma coisa esquisita, que não soube definir...
       Muqaddam fechou os olhos... A brisa fria continuava a entrar pelas frinchas do postigo, cantava-lhe qualquer coisa que ele não conseguia agarrar... Desapertou o cinturão bordado a lantejoulas, o fivelão de prata... Fechou os olhos para olhar interiormente a sensação indefinida...
       Era a avó. Era a avó quem cantava... Cantava uma canção de outras eras, uma canção que aprendera na infância quando acompanhava a mãe à fonte ou a ir lavar a roupa à ribeira... E cantava-a em adulta, durante as duras lidas da horta, ou quando se sentava ao tear... As antigas palavras dançavam na extremidade de um raio de sol que nascia, bruxuleavam na chama da candeia ainda acesa – mas ele não podia vê-las... Sentado aos pés do leito, tacteou, procurando o alaúde. Tentou dedilhar um poema, uma canção... Aquela canção... Tantas vezes a tinha ouvido, com a displicência dos jovens que dizem para consigo “Esse tempo já lá vai”... E nessa noite, as cantadeiras tinham entoado a mesma copla... Tentou dedilhá-la. Sorriu, satisfeito, quando lhe apanhou a toada... Continuou. A mesma copla... e tantas outras, semelhantes... Tinha sido uma noite diferente, aconteceu por acaso, sem se perceber como... Talvez que a presença de Omar Ibn Hafsún, o nobre descendente de Godos, os seus relatos das saudades da sua terra, dos seus amigos, da família... A descrição dos perigos que tinha corrido... Assunto poucas vezes abordado, houve quem se lembrasse de falar, mesmo que de forma velada e indirecta, das suas origens de antanho, referindo a necessidade óbvia e incontroversa da conversão, as suas vantagens, não só as materiais, certamente, mas sobremaneira, as espirituais também... No fundo, lá bem no fundo da alma, tinha acontecido que todos se tinham regozijado por ali estarem, todos juntos, falando do tempo antigo, contando histórias de família, histórias de falecidos vizinhos, comparando duas religiões, duas filosofias, dois modos de vida... Todos os convivas se tinham sentido irmanados num sentimento de unidade, os acepipes nessa noite tinham sabido melhor. E tocadores e cantadores, todos sem excepção, tinham colaborado de forma desusada. E a grande surpresa! A grande surpresa dessa noite, tinham sido as cantadeiras jovens quem tinha trazido à lembrança dos presentes, de forma espontânea, soltos, à vontade, numa noite de justas poéticas sem fim, tinham trazido de novo à vida os velhos cantares da poesia do povo... Afinal, a Poesia do povo peninsular não estava esquecida... Todos os comensais, liberta a saudade pela suavidade que o bom vinho desperta nos corações amorosos, tinham cantado as aquelas coplas em que as moças donzelas faziam as suas queixas das suas coitas de amor à mãe, ou confessavam ao ingrato namorado que sem ele não poderiam viver...
       – Que dizes? – perguntou ao jovem. – É isto, não é?
       – Sim, Mestre, acho que vai muito bem.
       – Então, canta comigo...

Mamma ayy habibi
sua al-gumella saqrella
e el qollo albo
e bokella hamrella

       – Ainda sabes o que isto quer dizer? – perguntou Muqaddam.
       – Sim, Mestre, a minha mãe ainda canta estas coisas. E é assim que ainda se costuma falar na minha casa... – Acompanhando-se ao alaúde, cantou em língua Árabe:

– Mãe, que amigo!
A cabeleira é ruivita
O colo branco
e vermelha, sua boquita
 

       – É o que isto quer dizer? Bem me parecia... – E insistiu – Continua, continua! Vocês deram-me uma noite de sonho! Eu nunca tinha ligado a estas cantigas, e agora estão a parecer-me tão belas! Parece que as oiço pela primeira vez!...
       O jovem prosseguia, incansável, sem sono, contagiado pelo entusiasmo do cego, cantando no seu dialecto original, o dialecto popular, a Língua dos Cristãos arabizados, meio latina, meio visigoda, meio árabe...  

Ké faré mamma
mio al-habib est ad yana

       E depois, transpondo para Árabe, a refrescar a memória do velho Mestre: 

– Que farei, mãe,
O meu amigo está à porta

       Novamente, no seu dialecto familiar: 

Sabes ya mio amor
ke kata-me el morire
imsí, ya imsi, ha bibi
no se, sin te ber, dormire.

Já sabes, meu amor,
que sem ti vou morrer...
Vem, oh, vem, meu amigo,
Como posso dormir, sem te ver?

       O sol saía agora completamente. Cantava a Primavera na brisa ainda fresca da manhã. O velho aedo disse ao ajudante:
       – Esta manhã. Estás por minha conta! Vamos fazer uma coisa, e vai ser mais complexa que um jogo de xeiques! Vais estar com toda a atenção, não quero enganos!
       – E o que será assim tão importante, Mestre?
       – Vais escolher aí uma copla dessas. Escolhe mesmo a que mais te agradar! Canta-a lá para eu ouvir...
       O rapazinho cantou:

Tanto amare tanto amare
habib tanto amare
enfermeron olios nidios
e dolen tan male.

       – Muito bem! É linda, mesmo linda! – O velho pensou um pouco... – Agora, vamos arranjar rimas, quero palavras do povo, ajuda-me a pensar!
       – Rimas, mestre?!
       – Sabes o que são rimas, não sabes?! Então, vá lá! Pensa em palavras, palavras simples, que rimem umas com as outras!
       – ...Palavras árabes?
       – Não percebes?! Coisa fácil: quero palavras árabes, do povo, palavras simples, e que façam rima entre si!
       – Mestre, como vou conseguir isso?
       – E para que queres tu a cabeça – para o cutelo?
       – Não! Claro que não! – O jovem respirou fundo a recuperar o fôlego. – Mestre, não me diga essas coisas, já sabe que eu não gosto.
       – Fizeste mal a alguém? Não fizeste, pois não?
       – Não, Mestre, não faço mal a ninguém, mas... Ibn Hafsún andou fugido...
       – Porque matou um homem e teve que se proteger da desforra da família do morto. Não sabias? Mas ele agora foi perdoado, deixa lá isso. Não faças tu mal a ninguém, é o que interessa. Bem, e deixemo-nos de coisas, vamos às palavras! Quero fazer um poema novo!
       – Então, e a copla cristã?
       – Oh! Essa vai ser a grande novidade neste poema – vamos usá-la como remate!

*

       Naquela noite terá nascido, de facto, um poema novo.
       ...Segundo a tradição, Muqaddam escolhia primeiro as palavras do Povo, palavras da língua Árabe, coloquiais, despretensiosas, para que comandassem as rimas do poema que ia fazer nascer; com elas, construía um pequeno poema estrófico – pequeno, mas complexo como um jogo de xeiques: em primeiro lugar um mote, com seus dois versos e a rima previamente escolhida; depois, uma quintilha onde nos seus primeiros três versos mudava a rima e nos dois seguintes, voltava à rima inicial, estribando-se nela para dar movimento e unidade à construção; seguindo-se depois mais umas novas estrofes, sempre nos mesmos moldes; e para finalizar, como ele próprio dizia, uma homenagem à avó e à mãe com quem tinha aprendido a cantar – uma bela estrofe da Lírica tradicional dos seus antepassados Cristãos, na sua Língua cristã, a rematar o poema em Árabe como uma finda, uma saída.
       Um estranho poema que condensava num só sentimento, numa só expressão, as suas duas Línguas, como um colar de pérolas de duas voltas; e forte e eterno, como o seu cinturão de lantejoulas. Por essas ambas razões, lhe chamou MOAXA’HA.

BIBLIOGRAFIA principal:
= Além das minhas recordações de Algarvia, as duas principais fontes que consultei para este conto:
James T. Monroe – “La Poesía HispanoÁrabe durante el Califado de Córdoba – Teoria y Prática” (na Net)
Jesús Greus – “Así vivieron em al-Andalus” – col. Biblioteca básica, História, Editora Anaya – Madrid, 2009.  

***

Uma versão prévia deste conto foi publicada no blogue (Por Ondas do Mar de Vigo) em 6 de Agosto de 2012: http://myriamdecarvalho.com/blog/


>