José Maria de Oliveira

Letras e Traços

José Maria de Oliveira

A MÃO DE FREI JANUÁRIO

Frei Januário era um daqueles irmãos especiais, que aparecem de quando em onde, como se vindo directamente das calendas franciscanas, cheio de bonomia, pachorrice, boa vontade e um certo sortilégio gastronómico, sobretudo para rebuçados, pelos quais se sentia, pecadoramente, melodependente... e, quantos perdões a Deus já lhe tinham saído, sentidos, da alma, ainda mal os papelinhos tinha jogado ao chão (os frades nunca foram muito ecológicos)! Mas da boca é que ele não os largava.

Vivia, descuidado, numa pequena congregação comunitária, com Beneditinos e, para além das esmolas, que placidamente compartilhava com os mais carentes, dedicava-se a apascentar meia dúzia de bezerras, e a amanhar uma viçosa leira de couves lombardas nas cercanias dum pequeno convento, adaptado dum velho “shopping” (1.ª geração) abandonado, que compartilhava, entre biombos de contraplacado com mais 17 irmãos, irmãs e semi-irmãos, em grande austeridade e recato.

Ora aconteceu, numa bela e soalheira tarde de Verão, daquelas em que nem as varejeiras, se atrevem a zumbir sobre o que quer que seja, que, um pequeno cachorro, que andava ali por perto, se enfiou para dentro da emaranhada engrenagem duma debulhadora placidamente, (parecia) adormecida, à espera das próximas espigas.

Frei Januário não hesitou. Num gesto irreflectido, como quase todos os gestos que partem do coração, enfiou o braço para dentro da máquina e zás! O diabo teceu-as! A máquina desatou a trabalhar e a mão direita do bom do frade, desencaminhou-se por entre lâminas, rodízios, ferrugens, muito barulho e ... restos de palha.

Foi uma sorte! (!?). No hospital onde deu entrada, acabara de chegar, ainda quente, sob a forma de cadáver, um conhecido larápio, vítima de atropelamento, quando fugia a um grupo de comerciantes enfurecidos, (coisas da crise) que o tinham apanhado em flagrante gamanço! A equipa médica que o transplantou foi imbatível. Em três horas, com a mais lapidar e sábia microcirurgia, enxertaram-lhe a mão direita do foragido, que parecia ter caído do céu, em forma e em tempo, às maravilhas, por milagre (acrescentamos nós)!

Mas, Oh, desígnios do insondável, a mão, aquela mão que nos primeiros dias se encontrava adormecida sob os efeitos da anestesia, à medida que despertava do seu passado necrótico, começava a dar evidentes sinais de rejeição e não só. Mas o que deixava a comunidade médica “de pantanas” era a descontinuidade daquelas “crises” que só acontecem – nas estatísticas – por excepção; passando, a mão, por longos períodos de normalidade, sem inchaços visíveis, até fases agudas com formigueiro, tumefacção, latejar e tremores, como se quisesse saltar para fora do antebraço ao qual, acidentalmente, “pertencia” agora!

Frei Januário, que nunca rejeitara nada do que viesse da vontade do Supremo, apenas rezava mais fervorosamente nestes momentos de sofrimento, afastando então, agastado e meio em pânico, alguns estranhos sentimentos e pensamentos, que o assaltavam durante estas crises em que, pasme-se, tinha vontade de roubar, de deitar a mão ao que quer que fosse, mesmo que não lhe fizesse a menor falta! Era como que um impulso vindo não se sabe de onde e nesses “entretantos” a mão fervia-lhe, agitava-se caprichosa, e os dedos entravam num frenesim de tal ordem que tinha de escondê-los por debaixo do manto, para ninguém se aperceber daquela agitação frenética... passando mesmo a ser mal interpretado, pois começou a correr o boato que se coçava por debaixo do burel!

Entre Deus e o Diabo era por onde Frei Januário andava agora. E enquanto as sumidades ortopédicas estudavam a raridade científica daquele caso, o santo irmão vivia num profundo dilema: Uma vontade louca de roubar à direita e uma febre incontida de dar à esquerda!

A tomada de consciência desta realidade, caricata, e simultaneamente trágica, arrasou-o ainda mais quando se perguntou: estaria ele a transformar-se num “diabólico comunista”?! Daqueles que já só constavam nos manuais da necromancia mais ateia?

Um dia, há sempre um dia, em que o Sol se espreguiçava caprichoso por entre os braços da frondosa madressilva ancorada, adormecida, há longos anos, à parede da sua cela, frei Januário pôs-se a olhar (e meditar), para a sua nova mão com se quisesse sondar-lhe os desígnios ocultos, como que a interrogá-la sobre a sua inquietude, e bem no fundo o seu “querer”. Veio-lhe então à memória a imagem do miserável pecador que lhe tinha “oferecido” aquele precioso órgão manipulador, órgão que servira ao seu antigo proprietário para sobreviver: roubando, Fora uma mão que nunca aprendera a dar e era, no fundo, uma mão que continuava a querer viver, como sempre tinha vivido, roubando aqui e além... como se tivesse memória própria, uma cons(ciência), e um destino para cumprir, muito para além duma “mera mão” a quem os médicos, apenas aplicavam os seus conhecimentos mecanicistas e estratificados – sem alma.

Agora, para Frei Januário aquela mão procurava, isso sim, “recuperar” a sua giesta própria, um pouco da essência do seu ser e do ser a quem pertencera: uma mão “gamante” e que estava prisioneira à espera da libertação, ou à espera dum pouco de paz desde que lhe dessem o “alimento” que precisava!

Frei Januário sentiu-se iluminado. Resplandecente! O Senhor, na sua Infinita Grandeza, abrira-lhe, um pouco mais, o manto das Maravilhas da Vida.

Frei Januário tinha de ir ao encontro dos anseios daquela sua nova aliada e convertê-la, sem trair a Deus, e sem agradar ao Diabo. Assim de cada vez que passava por uma loja onde houvesse rebuçados de que tanto gostava, e onde os comerciantes, que o conheciam como “guloso”, o autorizavam, desde sempre, a tirar um rebuçadinho, passou a tirar dois, com a mão direita: – um que chupava deleitadamente e o outro que guardava, sorrateiro, para depois o oferecer, com a mão esquerda, às crianças que ia encontrando pelo caminho; enquanto vociferava baixinho, para consigo:
– Uma mão não deve saber o que a outra faz! E alargava aos Céus o seu grande e misericordioso olhar bovino, sorrindo como só os frades sábios, bondosos, bonacheirões e gulosos, sabem sorrir…

Escusado será dizer que as crises, ditas de “rejeição”, desapareceram...

Entretanto a comunidade médica continua; ainda hoje, a esta hora em que estas palavras estão sendo lidas; atónita, a fazer congressos, debates, mesas redondas, comissões de inquérito, simpósios… para estudar o caso, e até já há até alguns clínicos, on-line, que não conhecendo o miolo desta singela narrativa, começam a acreditar que estas coisas de “rejeição” e “aceitação” têm mais que se lhes diga!!!

FRANGÉLICO